quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Fraude, mistificação e animismo




É muito comum no movimento espírita a confusão entre estes três termos.
Fraude é atitude consciente de um indivíduo que visa realizar um fenômeno, produzindo por meios falsos uma manifestação que diz ser espírita, com objetivos financeiros,ou de ridicularizar a pratica da mediunidade, ou psicológicos para se auto promover em um meio. Pois ainda os seres humanos ainda criam uma aura mística em torno de certos ditos médiuns. Os olham como se fossem portadores de missões divinas, ou de intermediários entre os dois mundos , pessoas se aproximam para barganharem coisas e favores, se ludibriam por estar próximo ou ser amigo de tal ou qual médium.
Situação esta que pode surgir porque um indivíduo detentor de mediunidade e com o mau uso desta faculdade, Espíritos sérios se afastaram, e para beneficio próprio ou coletivo ele sofreu a perda da ou suspensão da mediunidade. Porque o indivíduo acostumou-se com o fato de ser centros de atenções ele busca meios fraudulentos para manutenção de seu destaque.
Mistificação é produzida por Espíritos com objetivos diversos, e que podem iniciar uma fascinação individual ou coletiva.
Um Espírito assume a identidade de outro , para estabelecer suas teorias ou pensamentos e vontade, para enganar e zombar do indivíduo ou grupo e divertir-se da credulidade das pessoas. 
Os Espíritos superiores permitem que aconteça este tipo de comunicação para que o médium e as pessoas que estão a sua volta, desenvolva bom senso e analise crítica e aprendam uma lição antiga dada por João Evangelista , que dizia: “não acrediteis em todos os Espíritos mais provai se eles são de Deus”, que Allan Kardec ensinou a ratificar utilizando o Controle Universal dos Ensinos Espíritas (CUEE). 
Infelizmente temos visto ação constante de Espíritos mistificadores, e as pessoas com atitudes místicas aceitam estas orientações de bom grado, e acaba por comprometer inconsciente todo o edifício, que é a doutrina espírita , simples por excelência e objetiva, por praticas novas e inseguras .

Eu já tive a oportunidade de conhecer um centro dito espírita que fora fundado por um Espírito que se dizia ser Bezerra de Menezes, este médium passava quase o dia sob ação do mesmo atendendo pessoas, fazia regressão de memória nos assistidos , declaravam a casais que ele eram “almas gêmeas”, fazia puxada de perispírito (desenvolvimento da mediunidade), os Espíritos que se comunicariam pelos  médiuns em desenvolvimento  ele os escolhia e geralmente eram médicos , doutor fulano , doutora Sicrana, os componentes do grupo geralmente eram parentes do Bezerra reencarnados, um era seu irmão outro seu filho a outra esposa, a outra a segunda esposa, realizava palestra ele mesmo, ou os outros doutores.
Quando era perguntado por que somente aquele centro utilizava aqueles métodos ele dizia que era para que aquele grupo fosse o modelo de como os Espíritas deviam agir, pois o movimento espírita tinha se desvirtuado de suas origens (que o espiritismo se desvirtuou de suas origens e praticas concordamos, mas aquela também não era a pratica).
Sem contar às velas que eram acesas na cabine de passes , e no salão de reuniões de quadros com fotos que o médium comprava e dizia que era fulano ou cicrano alheio a figuras que vez por outra encontramos em alguns centros espíritas que homenageiam seus fundadores ou personalidades espíritas.
E as pessoas dotadas de boa vontade, fé e por ter vivido praticas católicas sem nenhum conhecimento de doutrina espírita aceitavam e talvez aceitem até hoje por falta de conhecimento doutrinário o que é uma pena. 
Questione essas praticas e não será mais bem vindo...
Para que isso não ocorra em nosso seio se faz imprescindível o conhecimento basilar da codificação espírita, que nos previne e nos dá base suficiente para separar  o joio do trigo, de um espírito que possui sabedoria, ou um que pensa que é sábio , nos coloca apto a ver a mensagem em fragmentos e no todo, não pela assinatura, mas pelo seu conteúdo.
O ser humano se previne com vacinas para evitar as diversas formas contagio de doenças, no entanto não utiliza a vacina chamada codificação espírita, para entrar em contato com o mundo espírita ou dos Espíritos. E como diria José Herculano Pires, “Espiritismo: é o grande desconhecido” dos espíritas.
Animismo a palavra deriva de alma, no movimento espírita quando se fala esta palavra se pensa em uma questão complicada de entendimento mais tentemos, simplificar...
Usamos  o termo para dizer que uma comunicação que se atribuiu a autoria a um Espírito, ela é de propriedade e autoria de quem deveria ser o médium, ou seja não existe um Espírito comunicante, e sim pertence ao ser encarnado.  
Se for constante e persistente o indivíduo deverá ser analisado e de acordo com o conteúdo da mesma, se  for bom pode ser direcionado a outros fins, agora se for de cunho que revelem violência ou situações negativas ou que denotem desequilíbrio emocional aconselha-se a buscar ajuda psicológica.
No momento em que o indivíduo relaxa e concentra-se ao invés de criar um elo com um ser espiritual, ele mergulha em seu inconsciente  esvaziando-o, a orientação por meio de um doutrinador a estas questões é de grande valia ao indivíduo, que traz a tona questões mal resolvidas, e as resolve, mais antes de se diagnosticar , e dizer que é uma manifestação anímica e mediúnica se faz imprescindível conhecer a pessoa em profundidade para uma avaliação,e acima de tudo o candidato ao desenvolvimento e exercício da mediunidade conhecer-se, e vestir-se de humildade.
Em questão da imaginação, de indução de livro que se estude ou esteja lendo pode influenciar o indivíduo a fantasiar, a auto critica e o auto- conhecimento se faz indispensável, além da humildade,nsem essa é impossível crescimento na área da mediunidade. 
Mas não deve ser considerado um bicho de sete cabeças mas deve ser visto como os primeiros passo da mediunidade, mediunidade e animismo são duas facetas de um ser o Espiritual…





Peço que se gostou ou não do que leu deixe-nos um comentário, ou mande-nos um email com suas duvidas e criticas, ou sobre o que gostaria de saber sobre a visão kardeciana que dará ferramentas para outro artigo.
Nosso email : ricardo.kardeciano@hotmail.com
Paz e Bem sempre.

7 comentários:

  1. É possível estudar o Livro dos Médiuns sozinho? Eu fazia (ou faço ainda, não sei bem)parte de um grupo de estudos mas já a alguns meses não vou aos encontros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim ...
      Te dou um exemplo.
      Cheguei ao espiritismo cheio de duvidas e com uma sede enorme de conhecimentos.
      Como em SP os grupos de estudo começam em março e se encerra em dezembro como aula em curso regular fiquei impossibilitado de freqüentar escolas, pois cheguei ao espiritismo em outubro.
      Descobri em Allan Kardec um manancial inesgotável de conhecimentos que me deram bases para o que sei.
      Nao desprezo as escolas mas o estudo que sedimenta no ser se faz quando se toma para si o conhecimento, existe uma cultura que diz que Kardec e leitura difícil , na realidade e a melhor leitura que existe pois ele foi o melhor pedagogo.
      Como estamos em Fortaleza - Ceara , convido a ir as quintas feiras no Centro Joao o Evangelista , em especial estarei dando uma aula sobre as obras básicas dia 01/04/2012, será um prazer conhece-lo pessoalmente .Rua Amadeu Furtado 78 no seu mesmo bairro estamos com 3 grupos de estudo.

      Excluir
  2. O texto é muito esclarecedor. Estou gostando muito do teu Blog....

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito mesmo! Vou até postá-lo no blog do CEAM , citando sua autoria e blog, evidentemente!
    veja lá: http://ceampiratininga.blogspot.com
    Abraços,
    LInda Maria

    ResponderExcluir
  4. Muito esclarecedor. Minha única dúvida, ainda fica por conta de como diferenciar se a mensagem é do meu pensamento ou se é do espírito, no momento da psicografia. Já que as afinidades podem nos confudir pela similadade de pensamento.

    ResponderExcluir
  5. O contexto nos diferencia um do outro. O pensamento pode ser similar, mas todos temos essências que nos são e transparecem naquilo que expressamos. Similaridade é parecença, mas não igualdade. Sabemos - e bem - o que pensamos, como pensamos e a emoção que sentimos diante do que pensamos e de como pensamos. É exatamente por isso que a mediunidade alavanca a evolução do ser que à ela se dedica: saber-se mais, conhecer-se a si mesmo, até para poder saber até somos nós, até onde começa o outro. ESta éa razão, o objetivo maior deste tipo de mediunidade: a intuitiva, a inspiradora.

    ResponderExcluir
  6. Foi muito esclarecedor,gostei e aprendi.Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir